logo

“Casas do Sertão” TALKS ON PHOTOGRAPHY w/ Maristela Ribeiro


“Casas do Sertão” Maristela Ribeiro no Talks on Photography, Teatro Munganga

Algumas vezes o trabalho artístico tem uma repercussão surpreendente. Maristela Ribeiro ficou conhecida no Brasil recentemente através de um projeto aparentemente muito simples, mas que trouxe à tona conteúdos psicológicos complexos relacionados à percepção e ao estar no mundo, demonstrando o poder do relacionamento da arte com a sociedade e o sujeito. “Casas do Sertão” é uma intervenção na comunidade de Morrinhos, em Feira de Santana, município situado no semi-árido baiano onde a artista nasceu. Essa intervenção teve uma grande repercussão na mídia e foi assim que eu conheci o projeto que segue impactando e encantando à todos, especialmente aos moradores da própria Morrinhos.

Eu gostaria aqui de fazer uma citação do filósofo Merleau-Ponty, que se dedicou à arte, à percepção e à constituição de significados na experiência humana. Ele disse, na sua obra “A fenomenologia da percepção”, que “retornar às coisas como elas são é retornar àquele mundo que precede o conhecimento, do qual o conhecimento se ocupa”.

A verdade é que tudo o que sabemos, nós sabemos do mundo que nos rodeia. O mundo é a fonte de todas as nossas relações sociais, políticas e estéticas. Nada vem de nenhum outro lugar, mas do próprio mundo em suas manifestações e da pureza e da essência das coisas em seu existir. A arte nos devolve o mundo não simplesmente da forma que vemos, mas da maneira que reagimos ao que vemos e ao que conhecemos. A arte é uma consequência. Ou seja, a arte é parte do mundo e não aparte dele. Eu acho que, de certa maneira, essa reflexão tem a ver com o trabalho da nossa convidada de hoje.

Neyde Lantyer, 02/08/2015

Comments are closed.