mobile sex hindi kompoz.me xxx hd video grils hasthmaithun video sunny leone marco banderas big sex videos nesaporn.mobi high heels latex leggins porno hotmoza.tv bf sexy nepali liebelib.net my friend sex xxx sexse vedio hd hot tubenza.com gand bulla sex video muslim girl chuda chudi xx video erodrunks.net bf live sax baf.xxx nimila.net full hd xx video com 3gpsex xxxx com zeloporn.com house cleaning mm son sex cam assporntube.info www indianforc video hd porngalstube.com yoga lesson sex new eroanal.info download big land fucking sex pron viedo eromyporn.info mother2 son xxx video erovoyeurism.info vegasmpegs.com vegasmovs.info
logo

A Avó (O Soco)

Minha avó de criação era uma refinada contadora de estórias cujos bichos falantes, bruxas e princesas mortas-vivas nos abismavam todas as noites. Fascinante também era o repetido relato de seu marido Eduardo sobre a escuridão e de repente a luz e os dois trens se chocando dentro do túnel. O marido de minha avó fora maquinista da Leste Brasileira, “encostado” por invalidez em conseqüência do terrível acidente cuja narrativa não tinha fim devido à espera eterna pela indenização que, até o dia de sua morte, nunca chegou. No ano em que completei 10 anos, passamos um longo período, eu e meu irmão, hospedados com eles. Ficar com minha avó e Duardo, como o chamávamos, era experiência saborosa, povoada de banhos de rio,  almoços com galinha ao molho pardo, tardes costurando roupinhas de boneca, e suspiros, cocadas-puxa e doces de compota, no lanche. Alem de tudo, havia ainda a mágica proximidade do Chalet com seus jardins, bosques e lagoa, seus muros, seus portões, seus avarandados e suas escadarias. Dormíamos, os dois, na grande cama art deco das núpcias de nossos pais, que minha avó herdara, com sua cabeceira de madeira pesada, curva, lustrosa e nobre e seu vultoso colchão de molas, de forro de rico tecido verde musgo e castanho, protegidos sob mosqueteiros contra os inevitáveis insetos que me aterrorizavam. Nos sentíamos amados, embora a saudade de minha mãe, que permanecia em Salvador acompanhando meu pai hospitalizado, fosse constante, e a sombra da morte iminente dele, mesmo que silenciosa, já nos rondasse. Uma noite, enquanto dormia, senti um brutal impacto no estômago. Gritei, mas o grito saiu para dentro, surdo, ao tempo em que eu me curvava aos prantos de desespero. Meu irmão havia me dado um soco durante o sono, embora continuasse a dormir como um anjinho. Minha avó veio correndo em meu socorro e me levou para sua cama, no quarto dela e de Duardo. No dia seguinte meu irmão duvidou, não tinha nenhuma memória do ocorrido, e riu de mim com seu riso de menino. A dor e o medo do imprevisível permaneceram no meu sistema, emudecidos. Não muito tempo depois, chegou a notícia de que meu pai tinha morrido.

____

 

Comments are closed.